Sistema Online de Apoio a Congressos do CBCE, VI Congresso Centro-Oeste de Ciências do Esporte e X Congresso de Educação Física

Tamanho da fonte: 
AVALIAÇÃO SUBAGUDA DA PRESSÃO ARTERIAL EM IDOSAS HIPERTENSAS APÓS UMA AULA DE HIDROGINÁSTICA
marcelo vasconcelos noleto

Última alteração: 2014-10-27

Resumo


INTRODUÇÃO: A hipertensão arterial é uma condição clínica que predispõe indivíduos idosos à doenças cardiovasculares e ao aumento da morbidade e mortalidade, devido aos danos estruturais e funcionais do miocárdio e das artérias. Por ser um grave problema de saúde pública, é importante se obter evidência cientifica sobre os métodos de tratamento e programas de prevenção da HAS. A hidroginástica proporciona, além dos benefícios intrínsecos da água, o aumento da força, flexibilidade, resistência aeróbia, coordenação, equilíbrio e, em especial, possui efeito hipotensor pós-exercício, sendo assim há poucos os estudos sobre o comportamento da pressão arterial na água disponíveis na literatura.OBJETIVO: verificar a resposta subaguda da pressão arterial em idosas hipertensas ao realizarem uma sessão de hidroginástica. METODOLOGIA: Trata-se de uma pesquisa clínica,de caráter experimental, controlada, crossover, desenvolvido na Piscina e Laboratório de Fisiologia do Exercício – LAFEX– ESEFFEGO. Foi aferida a PA do GE antes e após uma sessão de hidroginástica com duração de 45 minutos e o GC também foi avaliado mas permaneceu os mesmos minutos em repouso. A análise estatística foi feita pelo programa -SPSS 18. Para avaliar a distribuição dos dados numéricos foi adotado o teste KolgomorovSmirnov. O teste T-student para amostras pareadas foi usado para comparar a PA intragrupo, no momento anterior a realização dos protocolos (Pré) com os diversos momentos após os protocolos. Este mesmo teste foi utilizado para comparar a PA intergrupo (GE x GC).
Os resultados foram apresentados como media e desvio padrão e definida significância estatística o valor de p<0,05.
RESULTADOS: Na análise intragrupo do GE a PAS apresentou diferença estatística significante com o momento Pré e os Minutos 0, 10, 40 e 50 (p<0,05). Nos primeiros momentos após a sessão de hidroginástica no minuto 0 e 10 tivemos os valores mais altos e com significância estatística em relação a todos os momentos da coleta.
Na PAD obtivemos no momento pré, diferença estatística significante com os momentos inicias, 0,10,20 e 30, além de que o minuto 10 teve diferença significante com o momento pré e momentos finais do minuto 40 e 50.
O estudo apresentou diferença estatística significante para a PAS entre os grupos, nos momentos 0 em relação ao momento pré (p<0,0001*), 10(p<0,0001*), 20 (0,0456*), 30 (0,0412*) (p<0,05) e para a PAD no minuto 0(0,0003*), 10(0,0004*), 20(0,0153*) e 30(0,0087*). Obtivemos resultados com maior significância na PAS imediatamente após e depois do minuto 10.
Nas últimas três aferições da PAS e PAD entre os grupos nos minutos 40,50 e 60 e para o momento Pré da PAD não houve diferença estatística, sendo que este análise foi realizada pelo test t-student independente.
CONCLUSÃO: A pressão arterial sistólica e diastólica diminuíram, de maneira geral e de forma significativa, gerando o efeito da HPE.

Palavras-chave


Hipertensão, hidroginástica, idosos

Referências


CUNHA, R. M. et al Resposta subaguda da pressão arterial de idosas hipertensas após Sessão de hidroginástica: ensaio clínico Controlado. Laboratório de Fisiologia do Exercício – LAFEX /ESEFFEGO. Goiânia: Universidade Estadual de Goiás Goiânia, 2012.
CAROMANO, F.A et al. Efeitos Fisiológicos da imersão e dos Exercícios em água. São Paulo, 2003.
DIRETRIZES BRASILEIRA DE HIPERTENSAO VI. Revista de Hipertensão. v. 13, 2010.
DEGANI, A.M. Hidroterapia: efeitos físicos, fisiológicos e terapêutica da água. Fisioterapia em movimento 9(1):91-106, 1998.
DUTRA, M.T. et al. O efeito da natação e da hidroginástica sobre a pressão arterial pos- exercício de mulheres normotensas. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. n. 3, v. 14, 2009.
FIGUEIREDO, F.E.S. Efeito hipotensor agudo de uma sessão de hidroginástica em mulheres normotensas de meia-idade. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. n. 24, v. 4, p. 580-586, São Paulo, 2010.
HALL J, BISSON D, O.HARE P. The physiology of immersion.Physiotherapy76(9) 517-521, 1990.
IBGE. Censo Demográfico. Disponível em: www.ibge.com.br. Acessado em: 19 jul. 2014, 13:00:56.
JUNIOR, G.L.P.; SILVA, S.L.F.; NAVARO, F. El ejercicio físico y elcontrol de lapresión arterial em hipertensos. EFDeportes. Com,Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 148, Septiembre de 2010.

OLIVEIRA, C.A.M.; ROGATTO, G. P.; LUCIANO, E. Efeitos do treinamento físico de alta
intensidade sobre os leucócitos de ratos diabéticos. Revista Brasileira de Medicina do
Esporte; v. 8, n. 6, nov/dez., 2002.

MADUREIRA, A.S; LIMA, S.M.T. Influência do treinamento físico no meio aquático para mulheres na terceira idade. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. v. 3, n. 3, p. 59-66, 1999.

MENDES, R.; BARATA, J. L.T. Envelhecimento e pressão arterial. Acta Med Port. p. 193-198, 2008.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. VI Diretrizes Brasileira de Hipertensão.
Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, Jan/Mar. 2010. Disponível em:. Acesso em: 10 jul. 2014.

WESTON CFM et al. Hemodynamic changes in man during immersion in water atdifferent temperatures. Clinical Science 73:613-616, 1987.