Sistema Online de Apoio a Congressos do CBCE, XIX Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e VI Congresso Internacional de Ciências do Esporte

Tamanho da fonte: 
DANÇA AFRO-BRASILEIRA NAS OFICINAS DO ENSINO MÉDIO INOVADOR: PRIMEIRAS VIVÊNCIAS
Vandelma Silva Oliveira Rios, Michael Daian Pacheco Ramos, Geisa Alves da Silva

Última alteração: 2015-07-02

Resumo


Este trabalho tem a finalidade de relatar a prática de Estágio Supervisionado do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade do Estado da Bahia - DCH/IV Jacobina Bahia. O interesse em trabalhar com a dança afro-brasileira no âmbito escolar surgiu a partir da constatação de que este conteúdo não vinha sendo apresentado nas escolas de modo geral, considerando que assegurar o ensino desses conteúdos direcionados a cultura afro-brasileira é garantido na lei 10.639 de 2003, (BRASIL, 2003), resolvemos então, desenvolver nossa proposta de estágio vista por este prisma.
Como está explícito na lei supracitada, a História e a Cultura Afro-Brasileira é disciplina obrigatória nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, sejam nas escolas públicas ou particulares, porém, a maioria das escolas não conseguem trabalhar efetivamente com esse conteúdo, muitas vezes pela falta de experiência do professor ou mesmo por este, não se interessar muito pela temática. Sousa (2003) afirma que ao trabalhar com tal temática corremos o risco de não avançar tanto na compreensão do mesmo já que é posto que o contato com cultos de origem africana é algo que gera perdas, por isso as pessoas tendem a rejeitar temas ligados a cultura afro-brasileira. No entanto, compreendemos a importância da história e da cultura e por isso insistimos em levar adiante tal conteúdo para a escola. Partindo desse pressuposto, abordamos a Cultura Afro-brasileira a partir do conteúdo dança Afro-brasileira.

Palavras-chave


Educação Física Escolar; Estágio supervisionado; Dança afro-brasileira; Formação de professores.

Referências


BRASIL, Lei nº10639 de 9 de janeiro de 2003. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnicos Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. MEC/SECAD. 2005.

BRASIL. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 9394/96. Brasília : 1996.

BURIOLLA, Marta Alice Feiten. Estágio Supervisionado. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2001.

BRIKMAN, Lola. A linguagem do movimento corporal. Tradução de Lizandra Magon de Almeida. 3ª Ed. – São Paulo: Summus, 2014.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino da Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia Histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas, SP. Autores Associados, 2008.

SCHWARCZ, Lilia Mortiz. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: Cor e raça na sociabilidade brasileira. São Paulo, Claro Enigma, 2012.

SOUSA, Vilson Caetano de. Orixás, santos e festas: encontros e desencontros do sincretismo afro-católico na sociedade de Salvador. – Salvador - BA: Ed. UNEB, 2003.

VIEIRA, Marcilio d Souza O sentido do ensino da dança na escola. Revista Educação em Questão, Natal, V. 29, n. 15, p. 103 – 121, maio/ ago. 2007.

Texto completo: PDF