Sistema Online de Apoio a Congressos do CBCE, XIX Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e VI Congresso Internacional de Ciências do Esporte

Tamanho da fonte: 
ALGUNS SENTIDOS DA DANÇA CLÁSSICA PARA MULHERES ADULTAS: AVANÇO OU RETROCESSO?
Heloisa Suzano Almeida, Monique Ribeiro Assis, Cássia Marques Cândido

Última alteração: 2015-06-25

Resumo


O presente artigo tem como objetivo refletir sobre o movimento de mulheres adultas em direção à prática do balé clássico. O ponto de partida desta pesquisa se deu através do buscador Google, no qual foram inseridos os termos “balé adulto” em combinação com a palavra “blog”. Foram selecionados dois blogs escritos por professoras de balé que postavam e respondiam às questões de alunos e outros interessados em dança. Como referencial teórico, optou-se pela análise do discurso segundo a proposta de Eni Orlandi sob o suporte das imagens poéticas de Gaston Bachelard. Sonhos, desejos de infância, resgate do feminino foram os sentidos que emergiram.

Palavras-chave


balé; sonho; infância; feminino.

Referências


AQUINO, S. G.; SCHWARTZ, R. M. A influência do ballet de repertório do século XIX no imaginário feminino. In: VII JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 2011, São Paulo, Universidade Presbiteriana Mackenzie. Disponível em: file://localhost/. Acesso em: 10 nov. 2012.
ARAUJO, Clara; SCALON, Celi. Gênero e a distância entre a intenção e o gesto. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 21, n. 62, p. 45-68. Out. 2006.
ASSIS, Monique; CORREIA, Adriana; TEVES, Nilda. O dito e o interdito: análise das formações discursivas produzidas pela mídia impressa acerca do papel atribuído à dança em projetos sociais na cidade do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 26, n. 2, p. 101-116, jan. 2005.

ASSUMPÇÃO, Andréa Christina Rufino. O balé clássico e a dança contemporânea na formação humana: caminhos para a emancipação. Pensar a Prática, Goiânia, v. 6, p. 1-19, 2003.

BACHELARD, Gaston. A Poética do Devaneio. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo: a experiência vivida. 2. ed. São Paulo: Difel, 1967.

BITENCOURT, Jossiane Boyen. O que são blogs? Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação, Oficinas virtuais de aprendizagem II. Disponível em: file://localhost/Acesso em: 7 out. 2012

BOURCIER, Paul. História da dança no ocidente. Tradução de Marina Apenzeller. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

COSTA, Jurandir Freire. Sem fraude nem favor: estudos sobre o amor romântico. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

COUTINHO, M. L. R. Novas opções, antigos dilemas: mulher, família, carreira e relacionamento no Brasil. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 12, n. 1, p. 2-17, 2004.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Bela, maternal e feminina: Imagens da mulher na Revista Educação Physica. Ijuí:Ed. Unijuí, 2003.

HOMANS, Jennifer. Os anjos de Apolo: uma história do ballet. Tradução de Jaime Araújo. Lisboa: Edições70, 2012.

MONTEIRO, Mariana. Balé, tradição e ruptura. In: PEREIRA, Roberto; SOTER, Silvia. Lições de dança 1. Rio de Janeiro: UniverCidade, 2006. p. 135-150.

ORLANDI, Eni. Princípios e procedimentos: formação e circulação dos sentidos. 11. ed. Campinas: Pontes Editores, 2013.

PEREIRA, Roberto. Gruas Vaidosas. In: PEREIRA, Roberto; SOTER, Silvia. Lições de dança 1. Rio de Janeiro: UniverCidade, 2006. p. 173-190.

PRA, Jussara Reis; EPPING, Léa. Cidadania e feminismo no reconhecimento dos direitos humanos das mulheres. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 33-51. Abr. 2012.

ROCHA-COUTINHO, Maria Lúcia. Novas opções, antigos dilemas: mulher, família, carreira e relacionamento no Brasil. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 12, n. 1, p. 2-17, 2004.

RÜDIGER, Francisco. Literatura de auto-ajuda e individualismo: contribuição ao estudo de uma categoria da cultura de massas. 2. ed. Porto Alegre: Gattopardo, 2010.

SANTOS, Tatiana Mielczarski. Entre pedaços de algodão e bailarinas de porcelana: a performance artística do balé clássico como performance de gênero. Porto Alegre, 2009. 95f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

VIEIRA. Josênia Antunes. A identidade da mulher na modernidade. Delta, Brasília, v. 21, n. spe, p. 207-238, 2005.

Texto completo: PDF