Sistema Online de Apoio a Congressos do CBCE, XIX Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e VI Congresso Internacional de Ciências do Esporte

Tamanho da fonte: 
EDUCAÇÃO FÍSICA E A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE: O apoiador matricial como profissional aprendente
Braulio Nogueira de Oliveira, Felipe Wachs

Última alteração: 2015-06-05

Resumo


O presente artigo tem por objetivo discutir o aspecto formativo do apoio matricial, a partir do prisma do profissional de Educação Física enquanto apoiador matricial. Trata-se de parte de um estudo qualitativo, que envolveu 11 profissionais de Educação Física. O processo de construção das informações empíricas ocorreu entre novembro de 2013 a janeiro de 2014 e teve como técnicas de produção das informações três encontros de grupo focal e a observação participante. Para interpretação utilizamos a Análise de Conteúdo do tipo Análise Temática. Os resultados apontam para o apoio matricial como postura dialógica, em que os apoiadores se colocam como profissionais aprendentes, repensando constantemente seu fazer. Assim, não partem para o apoio apenas recomendações preconcebidas.

Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Educação Física e Treinamento; Educação Continuada.

Referências


ANJOS, T. C.; DUARTE, A. C. G. O. A Educação Física e a Estratégia de Saúde da Família: formação e atuação profissional. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 4, p. 1127-1144, out./dez. 2009.

BATISTA, N. et al. O enfoque problematizador na formação de profissionais da saúde. Revista de Saúde Publica, São Paulo, v. 39, n. 2, p. 231-237, mar./abr. 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009.

CAMPOS G. W. S.; DOMITTI, A. C. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 399-407, fev. 2007.

CARVALHO, Y.M.; CECCIM, R.B. Formação e educação em saúde: aprendizados com a saúde coletiva. In: CAMPOS, G. W. et al. (orgs.) . Tratado de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro: Fiocruz/São Paulo: Hucitec, 2009.

CECCIM, R. B. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface - Comunic, Saúde, Educ, Botucatu, v.9, n.16, p.161-77, set./fev. 2005.

FRAGA, A. B.; CARVALHO, Y. M.; GOMES, I. M. Políticas de formação em educação física e saúde coletiva. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 367-386, nov. 2012.

LIMA, V. V. Competência: distintas abordagens e implicações na formação de profissionais de saúde. Interface-Comunic, Saúde, Educ., Botucatu, v.9, n.17, p.369-79, mar/ago 2005.

LUZ, M. T. Educação Física e saúde coletiva: papel estratégico da área e possibilidades quanto ao ensino na graduação e integração na rede de serviços públicos de saúde. In: FRAGA, A.B. e WACHS, F. Educação Física e Saúde Coletiva. Políticas de Formação e Perspectivas de Intervenção. Porto Alegre: Editora da UFRS, 2007.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10 ed. São Paulo: HUCITEC, 2008.

PASQUIM, H. M. A saúde coletiva nos cursos de graduação em Educação Física. Saude soc., São Paulo, v. 19, n. 1, p, 193-200, jan./mar. 2010.

SILVA, A. L. F.; OLIVEIRA, B. N. A trajetória da Educação Física no SUS em Sobral-Ce: um resgate histórico. Conexões: revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 11, n. 2, p. 193-207, abr./jun. 2013.

Texto completo: PDF