Sistema Online de Apoio a Congressos do CBCE, XIX Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e VI Congresso Internacional de Ciências do Esporte

Tamanho da fonte: 
POLEIRO DO GALO: A RELAÇÃO DA TORCIDA DO ATLÉTICO MINEIRO COM O ESTÁDIO INDEPENDÊNCIA
Jefferson Nicassio Queiroga de Aquino, Felipe Vinícius de Paula Abrantes, Thiago José Silva Santana

Última alteração: 2015-11-19

Resumo


Este estudo objetivou investigar como o torcedor atleticano tem se apropriado do Estádio Independência, em Belo Horizonte, desde a sua reinauguração. Foram aplicados questionários aos torcedores que recorrentemente frequentaram os jogos do Clube Atlético Mineiro nos meses de fevereiro e março de 2014. Identificou-se que a torcida atleticana possui um sentimento de valorização e até mesmo amor pelo estádio Independência, estabelecendo uma relação de topofilia com este local.

Palavras-chave


futebol; torcida; estádio

Referências


DAMO, Arlei Sander. Para o que der e vier: o pertencimento clubístico no futebol brasileiro a partir do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense e seus torcedores. 1998. 247 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1998.

______. Bons para torcer, bons para se pensar - os clubes de futebol no Brasil e seus torcedores. Motus Corporis, v. 5, n. 2, p. 11-48, Rio de Janeiro: Editora Gama Filho, 1998.

______. Do dom a profissão: Uma etnografia do futebol de espetáculo a partir da formação de jogadores no Brasil e na França. 2005. 435 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

GAFFNEY, Christopher; MASCARENHAS, Gilmar. The soccer stadium as a disciplinary space. Esporte e Sociedade. Rio de Janeiro, v.1, n.1, 2005/2006

GOMES, Christianne Luce; AMARAL, Maria Teresa Marques. Metodologia da pesquisa aplicada ao lazer. Brasília: SESI/DN, 2005. 89 p.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. 3 ed. São Paulo: UNESP; HUCITEC, 2003.

MAGNANI, José Guilherme Cantor; TORRES, Lilian de Lucca. Na metrópole: textos de antropologia urbana. 3. ed. São Paulo: EDUSP: FAPESP, 2008. 320 p.

MELO, Marcos de Abreu. O rio que corre pela aldeia: Relações Estabelecidas por torcedores comuns de Belo Horizonte com o torcer, com a violência e com o novo Estádio Independência. Dissertação (Mestrado em Estudos do Lazer) – Faculdade de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. França. São Paulo: Ática, 1993.

SANTOS, André Carraz dos. A Copa do Mundo no Brasil (1950): Belo Horizonte e o ideal de cidade almejado para encantar os estrangeiros. Revista Digital, Buenos Aires, v. 10, n. 86, jul. 2005. Disponível em: < http://www.efdeportes.com/efd86/copa.htm> Acesso em: 03 abr. 2015.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.

Texto completo: PDF